LIÇÕES BÍBLICAS CPAD

ADULTOS

 

 

3º Trimestre de 2017

 

Título: A razão da nossa fé — Assim cremos, assim vivemos

Comentarista: Esequias Soares

 

 

Lição 8: A Igreja de Cristo

Data: 20 de Agosto de 2017

 

 

TEXTO ÁUREO

 

Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles(Mt 18.20).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Cremos na Igreja, que é o corpo de Cristo, una, santa e universal assembleia dos fiéis remidos de todas as eras e todos os lugares.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda — Mt 16.18

Jesus Cristo é o fundador da Igreja

 

 

Terça — Hb 12.23

A Igreja é a comunidade dos remidos

 

 

Quarta — Ef 1.22,23

O Senhor Jesus Cristo é a cabeça do Corpo da Igreja

 

 

Quinta — 1Tm 3.15

A Igreja é a Casa de Deus

 

 

Sexta — Ef 5.25-28

O relacionamento do casal é comparado ao de Cristo com a sua Igreja

 

 

Sábado — Ap 22.17

A Igreja no convite do pecador para Cristo

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

1 Coríntios 12.12-20,25-27.

 

12 — Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.

13 — Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito.

14 — Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos.

15 — Se o pé disser: Porque não sou mão, não sou do corpo; não será por isso do corpo?

16 — E, se a orelha disser: Porque não sou olho, não sou do corpo; não será por isso do corpo?

17 — Se todo o corpo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se todo fosse ouvido, onde estaria o olfato?

18 — Mas, agora, Deus colocou os membros no corpo, cada um deles como quis.

19 — E, se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo?

20 — Agora, pois, há muitos membros, mas um corpo.

25 — para que não haja divisão no corpo, mas, antes, tenham os membros igual cuidado uns dos outros.

26 — De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele.

27 — Ora, vós sois o corpo de Cristo e seus membros em particular.

 

HINOS SUGERIDOS

 

268, 302 e 477 da Harpa Cristã.

 

OBJETIVO GERAL

 

Mostrar a Igreja como corpo de Cristo e os elementos que a identificam.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 

 

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

 

  • I. Apresentar o significado da palavra “igreja” e os seus desdobramentos;
  • II. Explicar os elementos que identificam a Igreja;
  • III. Conscientizar os crentes de que eles são membros do corpo de Cristo.

 

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

 

Caro professor, é de suma importância para o aluno ter uma compreensão bíblica e teológica a respeito da natureza da Igreja de Cristo. Hoje, há algumas ideias equivocadas quanto algumas instituições que se chamam “igrejas”. Muitos confundem a Igreja de Cristo com tais instituições. Um dos objetivos da lição desta semana é exatamente esclarecer essa questão. O que é a Igreja de Cristo? Qual a diferença entre a sua natureza visível e a sua natureza invisível? Qual o papel do membro dentro do Corpo de Cristo?

São algumas questões que devem nortear a aula desta semana. O nosso desejo é que a sua classe compreenda melhor o maravilhoso privilégio de pertencer ao Corpo de Cristo, a Igreja do Senhor.

 

COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

 

A descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes marcou o início da jornada da Igreja, e vemos o seu final glorioso no epílogo da história humana, em Apocalipse. Todos nós fazemos parte dessa história. O presente estudo pretende descrever a Igreja como corpo de Cristo, o que isso significa e quais são os elementos que identificam uma igreja.

 

 

PONTO CENTRAL

 

A Igreja é o Corpo de Cristo.

 

 

I. A COMUNIDADE DOS FIÉIS

 

1. Etimologia. O termo grego para “igreja” é ekklesía, literalmente, “chamado para fora”, do verbo grego ekkaleo, “chamar, convocar”, que não aparece no Novo Testamento grego e só ocorre duas vezes na Septuaginta: “e chamaram Ló” (Gn 19.5) e “chamarás pacificamente” (Dt 20.10, LXX). O substantivo ekklesía aparece 115 vezes no Novo Testamento, das quais em apenas cinco não é traduzido por “igreja”: em Atos 19.32, 39 e 41, a ideia é de “ajuntamento” ou “assembleia”, como aparece na ARA; e nas outras duas ocorrências o termo se refere à congregação de Israel (At 7.38; Hb 2.12).

2. A assembleia dos cidadãos. A Septuaginta emprega o mesmo termo ekklesía para traduzir o hebraico qahal, “assembleia, multidão humana reunida”, em referência à congregação de Israel (Dt 23.2; 31.30; 2Cr 6.3), e para verter mais quatro palavras menos frequentes no Antigo Testamento. Esse era o mesmo vocábulo para a assembleia dos cidadãos em Atenas. Mas o termo aparece no Novo Testamento com um significado glorioso: “Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos Santos e da família de Deus” (Ef 2.19) e “universal assembleia e igreja dos primogênitos” (Hb 12.23). Essas palavras expressam um tom de uma celebração jubilosa, de uma reunião festiva com todos os remidos como cidadãos da comunidade celestial (Ap 5.11-13).

3. O significado da expressão “Santa Igreja Católica”. Essas palavras aparecem nos principais credos da antiguidade cristã. O termo katholikós, “universal, geral”, significa literalmente “de acordo com o todo”, pois é substantivo composto por katá e de holos. A preposição grega katá significa “de cima para baixo, contra, ao longo de, conforme, de acordo, segundo”, e a palavra holos quer dizer “todo, inteiro, completo”. Foi Inácio, bispo de Antioquia (70-110), que empregou o termo para designar a igreja com o sentido de “geral, universal”. Mas o significado exato do termo se perdeu com o tempo.

 

 

SÍNTESE DO TÓPICO (I)

 

A palavra “igreja” remonta à comunidade dos fiéis reunida em nome do Senhor Jesus.

 

 

SUBSÍDIO DIDÁTICO I

 

O primeiro tópico é um pouco técnico. Mas é importante conhecer o sentido etimológico do termo “igreja”. O comentarista mostra que ekklesia é uma palavra grega que significa um grupo de pessoas “chamado para fora” e a interliga com o termo hebraico qahal, “assembleia, multidão humana reunida”, no contexto do Antigo Testamento.

 

CONHEÇA MAIS

 

 

Igreja

“Origem da Palavra

No Novo Testamento, a palavra ‘igreja’ é uma tradução da palavra grega ekklesia, que nunca se refere a um lugar de adoração, mas tem em vista uma reunião de pessoas. Na maioria esmagadora dos casos, ekklesia indica uma associação local de crentes”. Para conhecer mais, leia Dicionário Bíblico Wycliffe, CPAD, p.949.

 

 

II. ELEMENTOS QUE IDENTIFICAM UMA IGREJA

 

1. Afinal, o que é Igreja? É toda congregação ou assembleia que se reúne em torno do nome de Jesus Cristo como Senhor e Salvador, professando sua fé nEle publicamente e de forma diversificada, aberta a todas as pessoas, a qual inclui o batismo e a Ceia do Senhor (nas reuniões específicas). Trata-se da igreja no sentido completo da palavra. Como Jesus mesmo prometeu, Ele está presente na igreja por meio do Espírito Santo até a consumação dos séculos (Mt 18.20; 28.20).

2. As ordenanças. São duas as ordenanças da Igreja dadas por ordem específica do Senhor Jesus. A primeira é o batismo em águas: “Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mt 28.19). A segunda é a Ceia do Senhor: “fazei isso em memória de mim” (Lc 22.19). O batismo em águas é o rito que simboliza a nossa união com Cristo e é a nossa confissão pública de fé em Jesus (Rm 6.4). Como se nasce apenas uma vez, da mesma forma o batismo acontece uma só vez (Ef 4.5). Já a Ceia do Senhor é o rito da comunhão e significa a continuação da vida espiritual (1Co 10.16). O crente em Jesus precisa estar em comunhão com a Igreja para participar da Ceia do Senhor. Isso por si mostra a impossibilidade de alguém querer ser crente sem se tornar membro da Igreja.

3. A adoração. Os crentes em Jesus se reúnem para a adoração pública e coletiva. Os dois principais verbos gregos para “adorar”, no Novo Testamento, são proskyneo, que significa “adorar, render homenagem”, no sentido de prostrar-se (Ap 19.10), e latreuo, que significa “servir” a Deus (Ap 22.3). À luz da Bíblia, podemos definir adoração como serviço sagrado, culto ou reverência a Deus por suas obras (Sl 92.1-5) e por aquilo que Deus é (Sl 100.1-4). Não há diferença entre “servir” e “adorar” nem entre “prostrar-se” e “adorar”. Os principais elementos de um culto são: oração, louvor, leitura bíblica, pregação ou testemunho, oferta e manifestação dos dons do Espírito Santo (1Co 14.26).

4. A família de Deus. Não devemos confundir igreja com templo; a casa de Deus é outra coisa. Há passagens no Novo Testamento em que o termo “casa” parece se referir à igreja: “para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo” (1Tm 3.15); “vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo” (1Pe 2.5); “já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus” (1Pe 4.17). O termo “casa” também é utilizado na Bíblia metaforicamente para designar “família” (Js 24.15; At 16.31). A Igreja é citada como a família de Deus (Ef 2.19) e o templo espiritual de Deus (1Co 3.16; Ef 2.22). É por isso que chamamos de irmãos aqueles que se convertem ao Senhor Jesus.

 

 

SÍNTESE DO TÓPICO (II)

 

As ordenanças (batismo e ceia), a adoração e a reunião de pessoas são elementos que identificam a Igreja.

 

 

SUBSÍDIO TEOLÓGICO II

 

“Precisamos nos identificar primeiro com o Senhor Jesus Cristo, parecer com Ele no amor, no trato com as pessoas, nas estratégias de trabalho, no aproveitamento das oportunidades, no uso de autoridade para libertar os oprimidos e na compaixão pelas pessoas. Enfim, identificar-se com Cristo é ser parecido com Ele no projeto de transformar o mundo [...]. Precisamos também de identificação entre nós mesmos, ou seja, precisamos entender e praticar o que é ser Igreja. Não me refiro a uma comunidade com estatuto e CGC, endereço e liderança, que faz o que quer, como quer e quando quer. Uma comunidade burocrática e fria, cheia de deveres e direitos, sem vida nem poder. Igreja não é um lugar onde uma multidão ali chega triste e sai vazia, nem tampouco um meio através do qual se possa ganhar dinheiro, explorando-se a boa fé alheia. Igreja não é uma facção dividida por um grupo de radicais e outro de liberais, onde só há confronto e não há vida. Igreja não é lugar de promessas mirabolantes, mas um lugar de vida onde Jesus se manifesta, onde há sinceridade, onde acontecem maravilhas, onde o amor tem liberdade de atuar, onde há comunhão e onde há poder” (FERREIRA, Israel Alves. Igreja Lugar de Soluções: Como recuperar os enfermos espirituais. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2001, pp.12-13).

 

 

III. O CORPO DE CRISTO

 

1. O corpo e seus membros. A Igreja é o corpo místico de Cristo (Ef 1.22,23). O apóstolo Paulo chama a atenção para um detalhe importante: “o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo” (1Co 12.12). Mas ele não relaciona o tema unidade e diversidade do corpo e seus membros com a Igreja, o que era de se esperar, mas diz o seguinte: “assim é Cristo também”. Longe de confundir Cristo com a Igreja, pois Jesus é transcendente (Cl 1.16,17), o que Paulo nos ensina é que pertencemos a Cristo e por Ele somos membros do seu corpo (1Co 12.27).

2. A morada de Deus. Quando Saulo de Tarso se encontrou com Jesus no caminho de Damasco, ele ouviu a voz que dizia: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” (At 9.4). Saulo perseguia os discípulos de Jesus, mas o Senhor se identificou com eles. Ao apóstolo foi revelado que a Igreja é o corpo espiritual de Cristo, sendo o Senhor mesmo a cabeça (Ef 1.22,23; Cl 1.18), e seus membros são o templo de Deus, a habitação do Espírito Santo (1Co 3.16); em outras palavras, a morada de Deus no Espírito (Ef 2.22). O tabernáculo e o Templo de Jerusalém representavam a presença de Deus (Êx 40.34; 2Cr 7.2,16). O salmista diz: “SENHOR, eu tenho amado a habitação da tua casa e o lugar onde permanece a tua glória” (Sl 26.8). Não existe mais o Templo de Jerusalém, mas Deus habita no cristão individual (Jo 14.23; 1Co 6.19).

3. Os membros do corpo. A tradução “por um só Espírito” (1Co 12.13), como aparece na Almeida Século 21, e expressões correlatas na NTLH, e na NVI (que tem esta nota: “Ou com; ou ainda por”), não significa o mesmo que “em um só Espírito”. As duas versões são gramaticalmente legítimas (Lc 2.27; 1Co 12.3; Ef 3.5). Ser batizado “por um só Espírito” quer dizer que é o Espírito quem batiza; isso indica a iniciação dos crentes no corpo de Cristo e não se refere ao batismo do dia de Pentecostes. Essa posição é defendida também por Stanley M. Horton. Não há distinção de pessoas, raça ou status social na Igreja. O apóstolo explica: “formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito” (1Co 12.13b). A ilustração do corpo humano com a Igreja nos versículos seguintes, além de mostrar a unidade na diversidade, ensina também que precisamos uns dos outros (1Co 12.21) e que, igualmente, diferimos entre si (1Co 12.18) e que precisamos cuidar uns dos outros (1Co 12.25). Isso é Igreja.

 

 

SÍNTESE DO TÓPICO (III)

 

A Igreja é o corpo de Cristo na terra, a morada do Deus Altíssimo.

 

 

SUBSÍDIO TEOLÓGICO III

 

“A fim de enfatizar e visualizar a relação viva dos crentes com o Cristo, a Bíblia o apresenta como o ‘cabeça’ da Igreja, e a Igreja como seu ‘corpo’ (1Co 12.27; Ef 1.22,23; Cl 1.18). Há várias razões para esta analogia. A igreja é a manifestação física — visível — de Cristo no mundo, a fazer seu trabalho, tal como chamar os pecadores ao arrependimento, proclamando a verdade de Deus às nações e preparando-se para as eras vindouras. A Igreja também é um corpo, composta de um arranjo complexo de diversas partes, cada qual discreta, cada qual recebendo do Cabeça, cada qual com seus próprios dons e ministérios, contudo, todos necessários à obra de Deus por vir (Rm 12.4-8; 1Co 6.15; 10.16,17; 12.12-27; Ef 4.15,16). (MENZIES, William W.; HORTON, Stanley M. Doutrinas Bíblicas: Os Fundamentos da Nossa Fé. 1ª Edição. RJ: CPAD, 1995, pp.134-35).

 

 

CONCLUSÃO

 

Diante do exposto, concluímos que Deus estabeleceu a sua morada, primeiramente no tabernáculo e depois no Templo,ambos consagrados a Ele, e que da mesma forma o Espírito Santo também estabeleceu a sua habitação no corpo do cristão individual. Entre gentios e judeus, o Senhor Jesus formou um novo povo (1Co 10.32), de modo que o gentio deixa de ser gentio quando se converte ao evangelho de Jesus Cristo (1Co 12.2; Ef 2.11). A missão principal da igreja é adorar a Deus e propagar o evangelho a todas as nações da terra (Mt 28.19,20).

 

PARA REFLETIR

 

A respeito da Igreja de Cristo, responda:

 

O que significa literalmente a palavra grega ekklesía, “igreja”?

O termo grego para “igreja” é ekklesía, literalmente, “chamado para fora”, do verbo grego ekkaleo “chamar, convocar”.

 

Qual o tom da “universal assembleia e igreja dos primogênitos”?

Essas palavras expressam um tom de uma celebração jubilosa, de uma reunião festiva com todos os remidos como cidadãos da comunidade celestial (Ap 5.11-13).

 

Quais as ordenanças da Igreja?

As ordenanças da Igreja são duas, a primeira é o batismo em águas e a segunda é a Ceia do Senhor.

 

O que significa “casa de Deus” em relação à Igreja?

Há passagens no Novo Testamento em que o termo “casa” parece se referir à igreja. O termo “casa” também é utilizado na Bíblia metaforicamente para designar “família” (Js 24.15; At 16.31). A Igreja é citada como a família de Deus (Ef 2.19) e o templo espiritual de Deus (1Co 3.16; Ef 2.22). É por isso que chamamos de irmãos aqueles que se convertem ao Senhor Jesus.

 

O que significa “batizado pelo Espírito” (1Co 12.13)?

Ser batizado “por um só Espírito” quer dizer que é o Espírito quem batiza; isso indica a iniciação dos crentes no corpo de Cristo e não se refere ao batismo do dia de Pentecostes.

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

 

A Igreja de Cristo

 

O que é a Igreja?

A expressão Igreja vem do grego ekklesia cujo significado é “assembleia pública”. A expressão ekklesia tinha a ver com a reunião pública dos cidadãos gregos para decidirem questões da sociedade local.

Os escritores do Novo Testamento viram nessa expressão uma maneira viável de se referir ao grupo de pessoas que se decidiram por Jesus e Sua Palavra, de modo que a palavra ekklesia, aportuguesada para Igreja, passou a designar todas as pessoas, de várias partes do mundo, que depositaram a sua confiança em Jesus. Esse é o entendimento quando lemos os textos bíblicos que se referem a Igreja como Corpo de Cristo manifestado no mundo (Mt 16.18; At 20.28; Ef 5.32). Por isso vale a pena tomarmos contato com o teólogo e missiólogo, George peters, quando ele escreve: “[...] Igreja ideal. [...] Aquela instituição de pessoas que foi chamada a Deus através do Evangelho de Jesus Cristo, conduzida a uma amizade eterna com Jesus Cristo pela fé, e foi batizada no corpo de Jesus Cristo pelo Espírito Santo. Ela é o templo de Deus habitado pelo Espírito Santo [...]” (Teologia Bíblica de Missões. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2000, p.247).

 

Três ilustrações que caracterizam a Igreja em o Novo Testamento

 

Há três expressões que aparecem ao longo do Novo Testamento que caracterizam a Igreja:

O corpo de Cristo: Com essa expressão o autor sacro refere-se ao fato de que se Cristo é o cabeça da Igreja, nós, seus servos, somos o corpo que obedece solenemente a cabeça: “Regozijo-me, agora, no que padeço por vós e na minha carne cumpro o resto das aflições de Cristo, pelo seu corpo, que é a igreja” (Cl 1.24).

O templo de Deus: Essa expressão mostra que um templo, ou santuário, é o lugar em que Deus é cultuado e habita em toda a parte. Assim como o Senhor morou no tabernáculo no deserto, Deus agora vive, por seu Espírito, na Igreja (Ef 2.21,22; 1Co 3.16,17).

A noiva de Cristo: a expressão é usada como uma ilustração para contar a união e a comunhão de Deus com o seu povo (Ef 5.25-27; Ap 22.17). Com Deus tratava a nação de Israel como sua esposa, o apóstolo Paulo apresenta o noivo, Jesus Cristo, em pleno cuidado com a sua noiva, a Igreja.

Essas expressões são imagens ou figuras de linguagem, recursos linguísticos adotados pelos santos escritores, a fim de nos ajudar na aquisição da revelação de Deus para o ser humano por intermédio de Sua Palavra. Por isso, o seu uso não deve ser forçado ou exagerado.