LIÇÕES BÍBLICAS CPAD

ADULTOS

 

 

4º Trimestre de 2017

 

Título: A Obra da Salvação — Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida

Comentarista: Claiton Ivan Pommerening

 

 

Lição 2: A salvação na Páscoa Judaica

Data: 8 de Outubro de 2017

 

 

TEXTO ÁUREO

 

[...] Eu sou o Senhor, e vos tirarei de debaixo das cargas dos egípcios, vos livrarei da sua servidão e vos resgatarei com braço estendido e com juízos grandes(Êx 6.6).

 

VERDADE PRÁTICA

 

A libertação do povo israelita vislumbrava um plano divino maior: libertar e salvar a humanidade.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda — Êx 6.2-8

A promessa de Deus para salvar o seu povo e cumprir seus propósitos

 

 

Terça — Lv 23.4,5

Páscoa, uma das principais festas israelitas

 

 

Quarta — Dt 16.5,6

A celebração da Páscoa no local escolhido por Deus

 

 

Quinta — Mt 26.17,18

A orientação de Jesus e o preparo da Páscoa

 

 

Sexta — Lc 22.1,2

A conspiração contra Jesus antes da Páscoa

 

 

Sábado — Jo 1.35,36

Jesus é o Cordeiro de Deus

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Êxodo 12.21-24,29.

 

21 — Chamou, pois, Moisés a todos os anciãos de Israel e disse-lhes: Escolhei, e tomai vós cordeiros para vossas famílias, e sacrificai a Páscoa.

22 — Então, tomai um molho de hissopo, e molhai-o no sangue que estiver na bacia, e lançai na verga da porta, e em ambas as ombreiras, do sangue que estiver na bacia; porém nenhum de vós saia da porta da sua casa até à manhã.

23 — Porque o Senhor passará para ferir aos egípcios, porém, quando vir o sangue na verga da porta e em ambas as ombreiras, o Senhor passará aquela porta e não deixará ao destruidor entrar em vossas casas para vos ferir.

24 — Portanto, guardai isto por estatuto para vós e para vossos filhos, para sempre.

29 — E aconteceu, à meia-noite, que o Senhor feriu todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se sentava em seu trono, até ao primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais.

 

HINOS SUGERIDOS

 

41, 330 e 400 da Harpa Cristã.

 

OBJETIVO GERAL

 

Saber que a libertação dos israelitas vislumbrava um plano divino maior: libertar e salvar a humanidade.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 

 

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

 

  • I. Mostrar como se deu a instituição da Páscoa;
  • II. Explicar a importância e o significado do cordeiro da Páscoa;
  • III. Tratar a respeito da relevância e do significado do sangue do cordeiro na Páscoa.

 

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

 

Na lição de hoje estudaremos a respeito da instituição de uma das celebrações mais significativas e importantes para Israel: a Páscoa. Deus desejava que os hebreus nunca se esquecessem desta importante data que marcaria um novo tempo, um tempo de libertação. Por isso a data fora santificada.

No decorrer da lição, procure enfatizar que a Páscoa era uma oportunidade para os israelitas descansarem, festejarem e adorarem a Deus por tão grande livramento, que foi a libertação e saída do Egito. Entretanto, a Páscoa comemorada ali no Egito apontava para o nosso Cordeiro Pascal, Jesus Cristo. Ele é o Cordeiro de Deus que morreu para trazer redenção aos judeus e gentios. Cristo nos livrou da escravidão do pecado e da condenação eterna, portanto, exaltemos ao Senhor diariamente por tão grande salvação.

 

COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

 

Na Páscoa, os israelitas relembram o modo milagroso pelo qual Deus operou a salvação de seu povo, livrando-o da opressão, do sofrimento, da angústia e da escravidão promovida pelos egípcios. Era a lembrança da fidelidade de Deus à sua promessa, do seu amor libertador e do cuidado, sem igual, em favor do seu povo. Nesta lição, estudaremos os aspectos-chave e simbólicos da Páscoa e o novo significado que tão importante celebração assumiu com a morte e a ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo.

 

 

PONTO CENTRAL

 

A libertação do povo israelita vislumbrava um plano divino maior para judeus e gentios.

 

 

I. A INSTITUIÇÃO DA PÁSCOA

 

1. O livramento nacional. Para o povo de Israel, a Páscoa representa o que o dia da independência significa para um país colonizado por uma metrópole. Mais ainda, essa magna celebração significa a verdadeira libertação experimentada por uma nação, expressada pela liberdade espiritual do povo para servir ao Deus Criador (Êx 12.1-13,16). Historicamente, foi o último juízo sobre o Egito e a provisão do sacrifício pascal que possibilitaram o livramento da escravidão e a peregrinação do povo judeu rumo à Terra Prometida (Êx 12.29-51).

2. A libertação da escravidão. Os israelitas habitaram por aproximadamente 430 anos no Egito (Êx 12.40). Na maior parte desse tempo, eles experimentaram a dominação, a escravidão e a humilhação. Ser escravo no Antigo Oriente era estar sob a dependência política, econômica e social de outra nação. A religião a ser professada pelo povo escravo era a da nação dominadora, logo, não havia dignidade nacional para a escrava. Entretanto, no caso dos israelitas, o Deus Todo-Poderoso ouviu “o gemido dos filhos de Israel, aos quais os egípcios escravizam”, e lembrou-se de sua aliança (Êx 6.5). Do sofrimento da escravidão, o clamor do povo chegou a Deus que lhe proveu o livramento.

3. A nova celebração judaica. A Páscoa passou a ser a nova festa religiosa dos israelitas, pois essa celebração foi instituída por Deus, mediante o legislador Moisés, e um novo ano religioso começou (Êx 12.1-20). Os israelitas passavam oito dias comendo pães sem fermento, o matzá, isto é, fatias de pães asmos. Tudo isso para trazer à memória a grande fuga do Egito que fora tão rápida, a ponto de não haver tempo para deixar o pão caseiro crescer, pois esse pão deveria ser consumido antes de a massa levedar (Êx 12.39,40).

 

 

SÍNTESE DO TÓPICO (I)

 

A Páscoa foi instituída por Deus.

 

 

SUBSÍDIO DIDÁTICO

 

Professor(a), para iniciar o primeiro tópico da lição faça a seguinte pergunta: “O que significa a palavra Páscoa?”. Ouça os alunos com atenção e explique que significa “passar por”. Explique que este vocábulo tornou-se o nome de uma das mais importantes celebrações do povo hebreu. Diga que a festa da Páscoa acontecia no mês de abibe (março/abril). Depois, utilizando o quadro abaixo, explique aos alunos o significado desta celebração para os egípcios, judeus e cristãos. Conclua enfatizando que a Páscoa nos fala do sacrifício de Cristo, nosso Cordeiro Pascal.

 

 

 

II. O CORDEIRO DA PÁSCOA

 

1. O cordeiro no Antigo Testamento. No Antigo Testamento, o cordeiro constituía parte fundamental dos sacrifícios oferecidos para remissão dos pecados. Ele foi introduzido na cultura dos israelitas quando Deus libertou o seu povo, conforme nos relata Êxodo 12.3-10. Para oferecer o cordeiro em sacrifício, o sacerdote e o povo deveriam observar algumas exigências: o animal deveria ser completamente limpo, não poderia haver manchas nem outros defeitos, ser imaculado e plenamente saudável (Lv 4.32; Nm 6.14). Todo esse simbolismo apontava para Jesus, o verdadeiro Cordeiro pascal.

2. Jesus, o verdadeiro Cordeiro pascal. A páscoa cristã é o memorial de como Deus substituiu os sacrifícios temporários por um único e definitivo. Nesse aspecto, o cordeiro do Antigo Testamento era sombra do apresentado no Novo, “morto desde a fundação do mundo” (Ap 13.8). Por isso, ao comemorarmos a Páscoa, devemos atentar seriamente para o glorioso feito de Jesus na cruz. Cristo é o fundamento, a essência da Páscoa; se não atentarmos para Ele, nossa Páscoa torna-se vazia de sentido. Além disso, somos chamados a celebrar o verdadeiro Cordeiro com alegria e gratidão, pois por intermédio dEle a nossa culpa foi anulada definitivamente. Deus nos purificou e nos fez dignos de “assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus” (Ef 2.6). Agora, uma vez em Cristo, somos santificados, justificados e perdoados (Rm 5.1,2; 8.1).

 

 

SÍNTESE DO TÓPICO (II)

 

O cordeiro da Páscoa apontava para Jesus, o Cordeiro Deus.

 

 

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

 

“O cordeiro da Páscoa no Êxodo 12 deveria ser morto e comido na noite da Páscoa, e o seu sangue deveria ser espargido nos umbrais das portas. O Senhor Jesus Cristo associou a Santa Ceia à festa da Páscoa judaica (Mt 26.17-19). Dessa forma, a Páscoa está tipificando que Cristo é a nossa Páscoa (1Co 5.7).

O cordeiro a ser oferecido não deveria ter manchas ou defeitos (Êx 12.5) e nenhum osso deveria estar quebrado (Êx 12.45), o que nos mostra que nenhum osso de Cristo seria quebrado em sua morte na cruz.

O conceito do Cordeiro de Deus foi tão completamente desenvolvido em Isaías 53 que estava claro para os santos do Antigo Testamento que Ele não era outro senão o Servo do Senhor. Parece que Isaías 53 é o capítulo que contém mais referências cruzadas com o Novo Testamento em toda a Bíblia Sagrada.

O Cordeiro de Deus no Novo Testamento

No primeiro capítulo de seu Evangelho, João registra como João Batista aponta para Jesus como o ‘Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo’ (Jo 1.29,36). Pedro, em sua primeira epístola, diz que Cristo foi o cordeiro conhecido antes da fundação do mundo (1Pe 1.19,20). Portanto, o conceito do Antigo Testamento do cordeiro sacrificial revela tipicamente e profeticamente o plano de Deus para oferecer Cristo como o sacrifício propiciatório pelos pecados do homem” (Dicionário Bíblico Wycliffe. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2009, p.454).

 

CONHEÇA MAIS

 

 

Páscoa

“Lembremo-nos de nossa longa lista de transgressões e consideremos-lhe sofrendo sob o peso de nossa culpa. Aqui se lança um fundamento firme sobre o qual o pecador temeroso pode descansar a sua alma. Nós somos a aquisição de seu sangue, e as obras de valor de sua graça; por isso Ele intercede continuamente, e prevalece destruindo as obras do Diabo”. Leia mais em Comentário Bíblico, de Matthew Henry, CPAD, pp.599-600.

 

 

III. O SANGUE DO CORDEIRO

 

1. O significado do sangue. A primeira abordagem da Bíblia acerca dos sacrifícios está no livro de Gênesis (Gn 3.21; 4.1-7). O sacrifício de animais era uma forma de lidar com os problemas do pecado, quando este destruiu a paz entre Deus e a humanidade (Is 59.2). O sacrifício era oferecido para expiação dos pecados do transgressor, em que este era perdoado e, mediante essa expiação, tinha a sua relação com Deus restabelecida. O maior símbolo, e principal elemento desse ritual, era o sangue do animal sacrificado. Isso porque “sangue”, na Bíblia, representa a vida; e a vida do animal, “derramada” no sacrifício, era o que restabelecia a paz entre Deus e o ser humano (Lv 17.11 cf. Hb 9.23-28).

2. O sangue do cordeiro pascal. Antes do advento da última praga sobre os egípcios, Deus ordenou aos judeus que preparassem um cordeiro para cada família (Êx 12.3). A orientação era a seguinte: após matarem o cordeiro, os israelitas deveriam passar o sangue da vítima nas ombreiras e no umbral da porta de suas casas (Êx 12.7). Isso serviria de sinal para que quando o Senhor passasse e ferisse os primogênitos do Egito, conservasse a vida dos israelitas intacta (Êx 12.13). Assim, a orientação divina protegeu os primogênitos israelitas e o sangue do cordeiro pascal foi o símbolo de proteção deles diante da morte. Nesse sentido, o sangue de Jesus Cristo, o verdadeiro Cordeiro, nos protege da morte eterna e da maldição originada pelo pecado (1Jo 1.7). Tal como o sangue do cordeiro pascal que livrou o povo da morte, assim também o sangue de Jesus nos livra da morte espiritual e da condenação eterna.

3. O sangue da Nova Aliança. Em o Novo Testamento, ao celebrar a Páscoa na última ceia, Jesus afirmou que o seu sangue era o símbolo da Nova Aliança (Lc 22.14-20); era o real cordeiro, bem como o verdadeiro sacerdote, sendo o sacrifício e o oficiante ao mesmo tempo. Por essa razão, o livro de Hebreus afirma que Cristo é o mediador da Nova Aliança e, mediante seu sangue, redime de modo efetivo ao que crê (Hb 12.24). Nesse sentido, o sangue da Nova Aliança deu acesso direto do ser humano ao trono da graça (Hb 4.16) e autoridade exclusiva a Jesus como o único e verdadeiro mediador entre Deus e os homens (1Tm 2.5). Desse modo Cristo fez da Igreja um povo de verdadeiros sacerdotes com autoridade e legitimidade para partilhar da intimidade com Deus, para interceder uns pelos outros e anunciar as boas novas dessa Nova Aliança (1Pe 2.9).

 

 

SÍNTESE DO TÓPICO (III)

 

O sangue do cordeiro pascal apontava para o sacrifício perfeito do Cordeiro de Deus.

 

 

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

 

O sangue

“O sangue também desempenhou um papel significativo nas práticas religiosas do Antigo Testamento. Vale a pena observar que o sangue não representava nenhum elemento básico nos sacrifícios, nem tinha alguma função especial ou significado nos rituais de quaisquer outros povos do antigo Oriente Próximo ou do Mediterrâneo. O sistema de sacrifícios da lei, baseado nos primitivos sacrifícios de animais do período patriarcal, exigia a morte da vítima em nome do pecador e consistia na aspersão do sangue ainda morno pelo sacerdote como prova de sua morte pela expiação dos pecados (Lv 17.11,12). Nos sacrifícios, era exigida a morte da vítima para que sua vida fosse oferecida a Deus como substituto da vida do pecador arrependido. Dessa maneira, o pecador era limpo e a culpa era removida (Hb 9.22).

Esse cenário forma a base para a presença do sangue de Cristo no Novo Testamento. O derramamento do sangue de Jesus, na cruz, encerrou sua vida terrena, pois Ele, voluntariamente, ofereceu-se para morrer em nosso lugar, como o Cordeiro de Deus que foi assassinado para nos redimir (1Pe 1.18-20); e a aspersão desse sangue trouxe o perdão de todos os pecados dos homens (Rm 3.25). Seguindo o padrão do Dia da Expiação dos judeus (Lv 16), Cristo é o nosso sacrifício expiatório (Hb 9.11-14) e também a nossa oferta pelo pecado (1Pe 1.18,19). Assim como Moisés selou o pacto entre Deus e a antiga nação de Israel, no Sinai, com a aspersão do sangue (Êx 24.8), também o novo pacto de Jeremias (31.31-34) foi selado pelo sangue de Cristo (Hb 9.14). Ao instituir a Ceia do Senhor, Jesus falou do cálice como ‘o Novo Testamento [ou aliança]’ no seu próprio sangue (1Co 11.25)” (Dicionário Bíblico Wycliffe. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2009, p.1758).

 

 

CONCLUSÃO

 

A Páscoa para os judeus é a memória da ação salvadora de Deus. Para nós, os cristãos, é a recordação da ação redentora de Jesus em favor da humanidade. Cristo é a nossa verdadeira Páscoa, o Cordeiro único e o Sumo Sacerdote por excelência. Seu sacrifício foi definitivo e completo. Por isso, ao lermos sobre a Páscoa, devemos celebrar a Nova Aliança manifesta em Cristo Jesus. Hoje somos filhos de Deus mediante a nova e perfeita aliança no sangue do Cordeiro que tira o pecado do mundo.

 

PARA REFLETIR

 

A respeito do único Deus verdadeiro e a criação, responda:

 

O que significa a Páscoa para os judeus?

Para o povo de Israel, a Páscoa representa o que o dia da independência significa para um país colonizado por uma metrópole. Mais ainda, essa magna celebração significa a verdadeira libertação experimentada por uma nação, expressada pela liberdade espiritual do povo para servir ao Deus Criador.

 

Qual era o significado do sangue do cordeiro no Antigo Testamento?

O sacrifício de animais era uma forma de lidar com os problemas do pecado, quando este destruiu a paz entre Deus e a humanidade. O sacrifício era oferecido para expiação dos pecados do transgressor, em que este era perdoado e, mediante essa expiação, tinha a sua relação com Deus restabelecida. O maior símbolo, e principal elemento desse ritual, era o sangue do animal sacrificado. Isso porque “sangue”, na Bíblia, representa a vida; e a vida do animal, “derramada” no sacrifício, era o que restabelecia a paz entre Deus e o ser humano.

 

O que significa Páscoa para a Igreja Cristã?

Significa que uma Nova Aliança foi estabelecida por Cristo mediante o seu sacrifício na cruz do Calvário.

 

Quais são os benefícios da Nova Aliança?

O sangue da Nova Aliança deu acesso direto do ser humano ao trono da graça e autoridade exclusiva a Jesus como o único e verdadeiro mediador entre Deus e os homens. Desse modo que Cristo fez da Igreja um povo de verdadeiros sacerdotes com autoridade e legitimidade para partilhar da intimidade com Deus, para interceder uns pelos outros e anunciar as boas novas dessa Nova Aliança.

 

Com quais sentimentos devemos celebrar a Páscoa em nossos dias?

Devemos celebrar a Nova Aliança manifesta em Cristo Jesus com alegria e gratidão.

 

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

 

A salvação na Páscoa Judaica

 

Na lição sobre a Páscoa é importante que o (a) prezado (a) professor (a) destaque pelo menos três pontos: o conceito da Páscoa; o significado da Páscoa para os judeus; o significado da Páscoa para os cristãos.

 

Conceito

Do hebraico pesah, que significa “passagem”, e de acordo com Êxodo 12.13,23,27, o termo hebraico significa que o Senhor “passou por cima”, isto é, “pulou as casas israelitas” marcadas com sangue quando o Senhor feriu os egípcios. A palavra hebraica aplicada no Êxodo traz a ideia de “proteção”, “libertação” e “salvação”. Assim, o significado literário da Páscoa remonta à festa com que os israelitas comemoraram a saída do Egito e a passagem da escravidão à libertação; da separação à comunhão com o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó (Êx 12). Para os judeus, é o acontecimento mais importante do Antigo Testamento. E para os cristãos, é a história que culmina gloriosamente em o Novo Testamento.

 

Significado da Páscoa para os judeus

A primeira ocorrência da Páscoa na Bíblia está registrada em Êxodo 12. O texto remonta o legislador Moisés aspergindo o sangue do cordeiro para que os primogênitos israelitas não fossem atingidos pelo juízo de Deus reservado a Faraó por meio da morte dos primogênitos do Egito. Foi um acontecimento tão assombroso e maravilhoso que os israelitas tinham um compromisso firmado em Lei para que tal ocorrência fosse passada de geração a geração (Dt 6.20-23). A fatídica noite para os egípcios foi o dia de libertação para os judeus; foi quando o povo de Israel viu o grande livramento do Senhor; foi a noite que Deus demonstrou tamanho amor sem medida pela nação escolhida.

 

Significado da Páscoa para os cristãos

A revelação progressiva de Deus no Antigo Testamento mostra que o livramento de Israel do Egito era o preâmbulo histórico-divino para a execução do seu plano salvífico.

O sentido da Páscoa atingiu seu significado pleno na crucificação, morte e ressurreição de Jesus Cristo, o verdadeiro Cordeiro pascal. Esse foi dia do grande livramento da humanidade condenada para viver a ira de Deus. Foi a extraordinária ação do amor de Deus, por intermédio do seu filho unigênito, provendo livramento para os seres humanos. Para nós, os cristãos, a Páscoa representa a liberdade, o recomeço, o perdão, a segunda chance, a nova vida, a alegria, a paz, a comunhão, a vida com Deus, a vida com o próximo.